Skip to content

8 coisas que eu faria diferente na minha viagem internacional

Pular para:

  1. Montaria um roteiro
  2. Tiraria um tempo para fotos
  3. Tiraria mais fotos sozinha
  4. Entenderia melhor como gastei meu dinheiro
  5. Planejaria melhor a mala
  6. Visitaria mais lugares sozinha
  7. Pesquisaria mais sobre a história local
  8. Faria um “travel journal”, um diário de viagem

Fazem 5 anos que eu fui para minha primeira viagem internacional, basicamente sem ter muita noção do que eu estava realmente prestes a fazer.

Eu achava que estava arrasando, e que tudo estava indo conforme deveria ser, mas depois de alguns anos de experiência e algumas viagens na mala, percebi que eu poderia ter feito certas coisas diferentes naquela época, que deixariam a viagem ainda mais inesquecível.

E é assim que a gente aprende, né? Nos erros e acertos das viagens que a gente planeja (ou não) e trilha por aí.

o que eu faria de diferente em viagens internacionais - bayreuth

1. Montaria um roteiro 

Não acho que um roteiro seja obrigatório em toda a viagem, apesar de eu ser uma planejadora nata nessa questão. Mas um roteiro poderia ter me ajudado, principalmente quando viajei para algumas cidades sozinha.

Saber onde eu vou e o que esperar por lá, teria feito a experiência um pouco mais tranquila e me deixado planejar com mais certeza quanto tempo eu teria em cada lugar sem precisar correr loucamente para o outro que eu queria ver (aconteceu em Amsterdã).

Além disso, teria priorizado alguns lugares que não visitei (e queria muito), por questão de não saber o que me esperava e ficar com medinho (pois é!) de ir sozinha.

2. Tiraria um tempo para fotos

A maioria das minhas fotos da viagem estão tremidas ou fora de foco. Isso por duas razões:

a) Eu não sabia tirar fotos no modo manual, tudo era no automático, ou seja, a câmera focava onde ela queria e eu simplesmente apertava o botão achando que estava tudo certo e que ela leria meu pensamento.

b) Eu estava sempre caminhando pra lá e pra cá, e queria tirar foto de tudo. O problema? Eu não parava pra bater a foto, eu continuava caminhando enquanto fazia 2268198 fotos achando que estava acertando todas.

Aprender a tirar fotos no manual, com as configurações todas certinhas e o foco onde eu gostaria que estivesse, deixaria o resultado delas muito melhor. Ah, e me daria mais tempo pra tirar as fotos também. 

Seria muito mais fácil parar, entender o que eu quero mostrar e aí sim, tirar a foto, do que tentar fazer fotos loucamente do chão e do céu quase que ao mesmo tempo (coisa que eu fiz muito nessa viagem).

3. Tiraria mais fotos sozinha

Pois é, a pessoa que sempre apoia você a tirar fotos sozinha é a que menos tem fotos sozinha na viagem!

E foi por falta de conhecimento mesmo. Na época eu não pensava que levar um tripé poderia ser algo que me ajudasse nas fotos, muito menos que iria querer um monte de fotos sozinha.

Com um tripé e um controle, ficaria muito mais fácil de tirar essas fotos sem precisar pedir ajuda para um desconhecido na rua, não é mesmo?! 😉

coisas que eu faria diferente na minha viagem internacional - munique

4. Entenderia melhor como gastei meu dinheiro

Eu sei, em média, o quanto eu gastei ao todo na viagem e tenho algumas notas fiscais que trouxe para lembrar de valores mais exatos, mas é claro que não anotei todos os detalhes dela.

Se eu tivesse feito anotações, poderia ter um registro exato do quanto eu gastei, onde eu gastei e usar como consulta para as próximas viagens.

Controle financeiro é válido tanto pro dia a dia quanto para viagens, e ajuda muito!

Se você quiser aprender mais sobre controle financeiro, investimentos e como cuidar do seu dinheiro, eu indico muito essa comunidade aqui.

5. Planejaria melhor a mala

Eu fui com a mala pesada, voltei com ela mais pesada ainda!

Além disso, não me organizei em looks, só fui colocando o que eu achava necessário e pronto, resultando em 28 quilos de mala sendo carregada por aeroportos e estações de trem (com conexões!).

Agora eu tenho mais consciência que dá pra montar vários looks com menos peças, e que é preciso deixar um espacinho vazio para que a mala volte um pouquinho mais cheia (a gente nunca resiste a umas lembrancinhas, né?).

E também aprendi a organizar melhor uma mala, distribuir melhor as coisas dentro dela e saber que não preciso levar o mundo todo, porque se algum imprevisto acontecer, a gente dá um jeito de resolver!

6. Visitaria mais lugares sozinha

Por falta de planejamento, e de coragem, eu não me aventurei muito sozinha por aí.

Mas antes mesmo do planejamento, o maior fator de não ter me aventurado foi o medo de me perder, de não saber pegar um trem ou metrô sozinha, e do que fazer em diversas situações.

Tudo era muito novo pra mim.

E isso me travou!

Hoje eu faria meu roteiro e iria sem medo. Se me perdesse? Tudo bem, é só pedir informação. Não sei o que eu preciso fazer? Nada que um Google não resolva. A gente sempre consegue dar um jeitinho!

coisas que eu faria diferente na minha viagem internacional - leiden, holanda

7. Pesquisaria mais sobre a história local

Eu fui sem saber absolutamente nada de nenhum lugar, e também não me interessei em tentar entender muito sobre cada um deles.

Depois descobri que entrei em monumentos e lugares muito importantes para a história local, e que eu não fazia ideia nenhuma.

Aliás, que histórias! Tem tanta coisa envolvida, tanto o que contar. Hoje eu dou muito mais valor a um monumento por tudo “o que ele passou”, e tento sempre pesquisar antes para entender um pouco mais da razão de ele estar ali e ser tão importante.

8. Faria um “travel journal”, um diário de viagem

Pouco depois da minha viagem, uma youtuber que eu sigo a anos, Katy Bellotte, foi fazer um intercâmbio para a Itália e começou a mostrar mais sobre uma coisa que ela fazia muito por lá: um travel journal.

Eu fiquei encantada com as várias páginas de desenhos dos lugares que ela foi, e os registros das sensações que ela teve nesse intercâmbio. 

Registrar em câmera o que a gente passou, já é uma lembrança maravilhosa, mas registrar em palavras, deixa tudo ainda mais real e a sensação muito mais forte.

E ler essas lembranças depois de anos deve ser uma das experiências mais incríveis!

Quero tentar praticar isso nas próximas viagens, apesar de não ter talento algum para desenho. Mas acharei um jeito de fazer algo com a minha carinha! 

Aliás, já comecei a praticar alguns tipos de desenho para arrasar na minha próxima viagem!

Agora me conta: você aprendeu algo na sua primeira viagem internacional? O que você faria (ou fez) de diferente nas viagens que vieram em seguida? 

Vamos compartilhar essas experiências e aprender ainda mais um com o outro aqui nos comentários! 🧳

8 coisas que eu faria diferente na minha primeira viagem internacional
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.